9127 Newsletter | União Israelita SHEL GUEMILUT HASSADIM

Newsletter • Ano II • Nº 265



Solicitamos à todos os sócios que entrem em contato com a secretaría da Sinagoga, afim de atualizar ou completar os dados cadastrais.



B’sd

Mensagem da Parashá Reê

Quando a caridade é demasiada?

De acordo com a lei judaica, uma pessoa não deve doar mais do que um quinto de sua riqueza, mas os irmãos frequentemente excederam esse limite. O seu pecado: doar caridade demais!

O trecho da Torá desta semana é Ree [Deuteronômio 11:26-16:17], que significa “ver” e que se refere ao requisito da humanidade para que veja como é fácil viver uma vida plena de bênçãos e de felicidade. Para os que gostam de dados estatísticos, Ree é o trecho mais longo da Torá no Livro do Deuteronômio, consistindo de 7.442 letras do alfabeto hebraico, 1.932 palavras em hebraico e 126 versículos.

Há diversos temas e muitas mitzvot (determinações) na leitura desta semana, com a importância da caridade sendo um deles. Como diz a Torá: “Se existir um pobre em teu meio... não endureças teu coração nem deixes tua mão fechada em relação a teu irmão empobrecido’.

Como certamente se percebe, essa é uma das fontes bíblicas do requisito de doar para a caridade.

Mas isso não é tudo. Acrescenta a Torá: “Deverás abrir tua mão em direção a ele e provê-lo daquilo que ele necessita”. Esta parece ser uma convocação para um nível superior e mais detalhado de caridade não coberto pelo versículo anterior.

Uma história vem a ilustrar o que representa “abrir tua mão” e doar caridade em uma maneira muito maior e mais detalhada do que o realmente necessário.

Havia um judeu na cidade de Vilna, na Lituânia, que tinha um grande interesse pela história local. Uma das coisas que ele gostava de pesquisar se situava no velho cemitério judaico: era o exame das tumbas e o estudo de suas inscrições. De fato, há uma abundância de informação e história a ser extraída dos túmulos de qualquer cemitério judaico.

Certo dia, ele encontrou dois túmulos adjacentes. Conforme as inscrições neles estavam enterrados dois irmãos, ambos distintos estudiosos da Torá e ambos profundamente caridosos.

Foi aí que ele percebeu algo de diferente, de extraordinário.

As duas tumbas partilhavam uma inscrição extraída do Livro do Provérbios, capítulo 31. Em uma delas estava escrito: “e ela estendeu sua palma (kappah) aos pobres” e a segunda tumba completava o versículo com “e ela estendeu sua mão (yadeha) para os empobrecidos”.

Muito estranho. Não somente é raro encontrar duas tumbas partilhando um mesmo versículo ou inscrição, mas o versículo escolhido é tradicionalmente colocado nas tumbas de mulheres. Nunca é usado para as tumbas dos homens. Teriam esses dois estudiosos exemplares da Torá ido à falência?

O homem estava surpreso e buscou auxílio em um dos membros mais velhos da comunidade. E, de fato, o ancião tinha uma história para compartilhar acerca dois túmulos.

Os irmãos eram estudiosos da Torá no mais alto grau; eram também prósperos e extremamente generosos, muito respeitados e admirados em toda a comunidade.

De repente, a sorte virou contra eles. Vários de seus negócios naufragaram, os investimentos estagnaram. As pessoas começaram a indagar por que uma coisa assim tinha acontecido com indivíduos tão valorosos.

O Tribunal Rabínico de Vilna também ouviu essas histórias. “Como pode isso acontecer”, perguntou um dos juízes, “que dois estudiosos da Torá que servem de exemplo a todos tenham ido à falência? Temos que tomar uma providência a respeito.”

“Mas o que é que nós podemos fazer?”, perguntou um outro juiz. “Devemos dar-lhes um empréstimo?”

“Não, claro que não”, disse o primeiro. “Temos que ir ao fundo da questão e aí mudar o seu curso.”

“Mas como?”, insistiu o segundo juiz.

“Há um modo simples”, interveio um terceiro juiz. “Vamos convocar os irmãos ao tribunal e interrogá-los sobre tudo que fizeram nos últimos anos.”

Qual foi o pecado deles? Caridade em demasia?

O Tribunal Rabínico inquiriu os irmãos durante horas e descobriu apenas um caso de comportamento equivocado.

E qual foi o pecado deles?

De acordo com a lei judaica, uma pessoa não deve doar mais do que um quinto de sua riqueza, mas os irmãos frequentemente excederam esse limite. O seu pecado foi doar caridade demais!

E o que se poderia fazer a respeito? O Tribunal Rabínico decidiu que não se podia confiar que os irmãos permanecessem nos limites prescritos. Por conseguinte, passaram os juízes a controlar as finanças dos dois irmãos e decretaram que todas as doações de caridade deveriam passar pelo filtro do tribunal.

E assim foi feito. Quando os pobres batiam à porta dos irmãos, pedindo um auxílio, eram enviados ao Tribunal Rabínico.

“Nós já estivemos lá”, reclamavam os pobres, “e eles não estão nem perto de serem generosos como vocês sempre foram. Nunca conseguiremos alimentar nossos filhos com o que o administrador nos provê”.

Os corações dos irmãos se derretiam, mas o que poderiam eles fazer? Já não tinham mais o controle do seu dinheiro. Começaram, então, a doar a prata que tinham guardada de alguma forma. Ao final, ficaram com apenas uma colher de prata para os dois.

No dia seguinte, quando um mendigo se acercou de ambos, eles partiram a última colher em dois pedaços. Um deu um pedaço para o primeiro mendigo e o outro para um segundo que apareceu.

Esse ato maravilhoso de caridade ficou imortalizado em suas tumbas, transmitido por meio de um jogo de palavras. Como foi mencionado, o início do versículo da primeira tumba era “e ela estendeu sua palma (kappah) aos pobres”. Kappah também significa “sua colher”. Na segunda tumba completava-se o versículo com “e ela estendeu sua mão (yadeha) para os empobrecidos”. Yadeha também significa “seu cabo”.

Shabat Shalom Umevorah!
Rabino Isaac Benzaquen



Cartaz Shabatton 19ago2017


email avoda



Caros correligionarios,

Recentemente iniciamos uma coleta de fundos visando doar a quantia de 5.000,00 USD para a “Respiratory Research Unit” do Hospital Shaare Zedek, de Jerusalém. A referida unidade, chefiada pelo Prof. Gabriel Izbicki, é coordenada pelo nosso associado e querido amigo Dr. Abraham Bohadana.

Balanço até o dia 10/07/2015:

Ítem Valor
Numero de doadores 9
Soma coletada USD US$ 3,000.00
Saldo USD US$ 2,600.00

Todos que desejarem podem entregar suas contribuiçoes ao Rabino Benzaquen.

Obrigado antecipadamente,
Rabino Isaac Benzaquen

PS: A doação dará direito a uma placa de agradecimento a Sinagoga Shel Guemilut Hassadim a ser colocada em local apropriado no Hospital Shaare Zedek.




aniversario

ANIVERSÁRIOS HOMENS

Dom. 20-Ago. Salomão Salgado
Ter. 22-Ago. Marcos Yehoshua Levy
Qua. 23-Ago. Moysés Ninio
Qui. 24-Ago. Daniel Spitalnik Nathan
Jacques Samuel Benzecry
Sex. 25-Ago. Glaucio Breda Bennesby
Michel Benchimol
Samuel Elis Benoliel


ANIVERSÁRIOS MULHERES


Seg. 21-Ago. Angela Benchimol
Suzana Apelbaum
Ter. 22-Ago. Alice Aizemberg
Anne Bemerguy
Dana Breda
Qua. 23-Ago. Nina Clara Benchimol
Sex. 25-Ago. Ana Paula Levy Buzaglo





ANIVERSÁRIOS DE CASAMENTO

   





box1 6cb8013506f5efe19c3ecf783aac0a09

NAHALOT HOMENS

Sáb. 19-Ago. Elias Tobelem Bar Gimol
Isaac Benchimol Bar Messod
Jacques Israel Ben Mazaltov
Dom. 20-Ago. José Messod Benzecry
Mair Abenhaim
Seg. 21-Ago. Isaac Matitia Bar Alia
Saul Bennesby
Qua. 23-Ago. Fortunato Rubin Farache
Qui. 24-Ago. José Salvador Nahmias Bar Messody
Sex 25-Ago. Natan Salem Bar Sarah


NAHALOT MULHERES



Sáb. 19-Ago. Ruth Malachias Bat Miriam
Simy Susana Bat Rachel
Dom. 20-Ago. Ana Roffé
Seg. 21-Ago. Estrella Benarrosh Anidjar
Ter. 22-Ago. Gracia Saada Bat Nazli
Raquel Ezaguy Bat Syme
Renée Homsy Bat Garaz
Qua. 23-Ago. Haziza Serruya
Qui. 24-Ago. Alice Benjó Assayag
Esther Siqueira
Sol Benathar Assayag Bat Messody
Sex. 25-Ago. Syme Alves Cohen
Vittorina Bibas Levi Mortera Bat Malaka




Nossos projetos:

  • PROJETO OR TORÁ -- toda 3ª feira temos aulas com diversos temas. A Torá é o sangue vital do Povo Judeu.

  • PROJETO SHABAT – toda 6ª feira distribuímos no café da manhã, duas Chalot, duas velas e temos sorteios de vinho e frios.
    Toda 3ª feira temos sorteios de frios.


    Ninguém pode amar o que não conhece. Uma pessoa não pode fazer ou entender o que nunca aprendeu.
    Um Judeu é ordenado a estudar Torá de dia e de noite e ensiná-la a seus filhos. Se quisermos que nossa família permaneça Judia e que nossos filhos se casem dentro da comunidade, então devemos integrar um programa de estudo de Torá em nossas vidas e implementar estes ensinamentos em nosso lar e em nós mesmos.


Se quiser receber a nossa newsletter, inscreva-se aqui
.

Se não quiser mais receber
a nossa newsletter,
cancele sua inscrição aqui
.

 

Nossa newsletter já foi acessada
vezes
 © U.I.S.G.H. 2017